Close

15 de fevereiro de 2018

Inteligência Artificial aplicada para o diagnóstico precoce de doenças graves

IA pode ser crucial para a identificação precoce e tratamento mais eficaz em casos de doenças como câncer e males cardíacos.

Um paciente com histórico cardíaco sente um mal-estar, procura atendimento médico, faz uma bateria de exames e volta para casa depois de receber um diagnóstico inconclusivo. Dias depois, sofre um enfarto. O cenário desagradável, infelizmente é familiar para muitas pessoas. Graças à Inteligência Artificial, esse cenário tende a mudar drasticamente nas próximas décadas.

Pesquisadores da Universidade de Oxford, no Reino Unido, desenvolveram um sistema baseado em IA que é capaz de diagnosticar com muito mais precisão doenças cardíacas. Na mesma vertente, um outro sistema está sendo desenvolvido para fazer diagnóstico precoce de câncer de pulmão.

Os dados sobre o sistema de saúde no Reino Unido apontam que atualmente são feitos cerca de 60 mil exames cardíacos por ano, sendo que 12 mil acabam sendo diagnosticados de forma errada. Ou seja, cerca de 20% dos exames cardíacos feitos a cada ano acabam em diagnósticos equivocados.

Segundo informações divulgadas pela BBC, a previsão é de que a tecnologia já esteja disponível para o sistema de saúde público britânico (NHS) ainda no primeiro semestre deste ano. Atualmente, o governo britânico gasta cerca de 2,2 bilhões de libras com serviços de análise de patologia. A expectativa é de que a tecnologia resulte em uma economia de até 50% deste total.

O próprio sistema foi desenvolvido por um cardiologista, Paul Leeson, o qual reforçou que a técnica possui muito mais precisão do que a análise a olho nu feita por médicos. Ainda que o sistema de saúde conte com excelentes profissionais, existem detalhes que escapam a olho nu, mas não passam despercebidos pelo sistema baseado em IA.

Apelidado de Ultromics, ele foi configurado para identificar potenciais problemas a partir da análise de dados de mil pacientes que foram tratados por Leeson nos últimos sete anos. O sistema também cruza informações sobre problemas que esses pacientes tiveram depois.

Tratamento para câncer

De um modo geral, médicos ainda não conseguem detectar de imediato se um nódulo encontrado no corpo de alguém é maligno ou benigno – o que leva à realização de mais exames para comprovação. As pesquisas desenvolvidas com o apoio da Inteligência Artificial sugerem que a tecnologia é capaz de identificar a doença em casos que parecem inofensivos, o que também gera uma enorme economia para o NHS, além de levar alento aos pacientes, que podem receber tratamento com mais rapidez, antes que a doença se agrave. O sistema também é capaz de diagnosticar precocemente um câncer de pulmão. Além de seguir em pesquisa na Universidade de Oxford, o sistema é comercializado pela empresa Optellium.

Ainda que não haja previsão para a chegada desses sistemas ao Brasil, o avanço rápido das pesquisas e a aplicação da tecnologia em curto prazo no Reino Unido são boas notícias. Sinal de que em breve, espera-se que esse tipo de aplicação traga benefícios cada vez maiores para o tratamento e diagnóstico de doenças raras. A tendência é que esse tipo de tecnologia avance e seja difundida ao redor do mundo.


One Comment on “Inteligência Artificial aplicada para o diagnóstico precoce de doenças graves

Ejac Prec
14 de novembro de 2018 em 12:14

Quanto conteudo de qualidade encontrei aqui no site. Agradeço por compartilhar. Sucesso. abraço

Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami